Tag

Escultura

Procurando

Localizado na cidade de Arosa na Suíça, o Tschugger Grand Hotel impressiona pela sua estrutura em vidro e metal, proporcionando aos hóspedes um aconchegante SPA seis estrelas de luz natural.

Interior do Tschuggen Grand Hotel com sua decoração em vidro.
Interior do Tschuggen Grand Hotel com sua decoração em vidro.
Com a assinatura do design de interiores Carlo Rampazzi o projeto ganhou uma decoração impecável em sua arquitetura.
O design soube aproveitar o destaque que o vidro possui, onde cada ambiente foi pensado, dando um toque de leveza capaz de combinar luz e espaço, formas e cores, levando o cliente a ter uma estadia inesquecível tendo uma  das mais belas vistas para as montanhas e vegetação sob a neve.
Suítes com estruturas em vidro e metal.
Suítes com estruturas em vidro e metal.
Fonte:
vidrado

Um simples abajur não é só mais um objeto de decoração, o item caiu nas mãos do talentosíssimo Charles Lewis Tiffany fundado da famosa joalheria Tiffany & Co, que percebeu que na fundição de diferentes vidros podia ser obter algo admirado por seus consumidores.

Loja da Tiffany nos anos de 1905 e 1940.
Loja de Interiores na 5 ª Avenida da Tiffany & Co.. Entre 1905 e 1940
A história da Tiffany & Co. Teve inicio no dia 18 de setembro de 1837, quando os jovens Charles Lewis Tiffany e John B. Young, com um investimento inicial de US$  1 mil para investir em um negócio em New York a proposta era estabelecer um comércio de artigos de luxo e papelaria para casa, mais acabou se tornando uma joalheria mundialmente famosa por seus artigos de luxo únicos diversificados trazendo status e bom gosto.
Terceira maior joalheria do mundo, possui uma ampla linha de produtos vendidos em suas lojas como relógios, artigos de prata, vidros, porcelana, talhares diversos, matérias gravados e acessórios de moda.
Lâmpada decorativa estilo Abajur Tiffany.
Lâmpada decorativa estilo Abajur Tiffany.
Mais o item de destaque é a Tiffany Lamp Criado pelo Designer Louis Comfort Tiffany por volta de 1895, o abajur Tiffany Lamp é feito  por diferentes tonalidades de cor  do vidro Favrile, vidro esse fundido com óxidos metálicos que absorvidos pelo vidro criar-se um efeito único e luxuoso.  Na fabricação  utiliza-se  técnicas que envolve a peça em uma  fita de cobre para ficar entranhada e soldada entre si .
Os abajures Tiffany Lamp são itens colecionáveis e preciosos por sua beleza única e de importância histórica, a coloração do vidro já vem desde a idade Média, na construção e utilização em vitrais de igrejas e catedrais, o artista admirava a coloração dos vidros medievais, convencido de que a qualidade do vidro contemporâneo poderia ser melhorado no processo de fabricação, começando a utilizar a técnica.
Admirado e procurado pelo público e por colecionadores o item ligado, passa a ter um elemento de elegância e classe, emitindo uma suave iluminação colorida no ambiente de decoração.
Fontes:
casodesucesso.com
mundodasmarcas
abrael
tiffany.com

Artista influente tanto no século XIX quanto no século XX, o francês René Jules Lalique foi designer, mestre vidreiro e joalheiro, tornando-se conhecido pela criação de joias, frascos de perfume, vasos, copos e taças, entre outros delicados itens fabricados em vidro.
Nascido em 1860, o francês inspirou-se nos estilos artísticos surgidos no fim do século XIX, o art nouveau e art déco, para deixar um legado de produções que remetem à qualidade, beleza e diversidade. Como designer de joias, desenvolveu peças baseadas na natureza, como aves e insetos, aproveitando-se de materiais tidos como pouco comuns, como o vidro.
Lalique foi o primeiro a conceber os frascos de perfume em vidro, passando a investir na comercialização de um produto luxuoso em embalagens igualmente refinadas. Até 1914, popularizou sua arte, fazendo com que as produções em vidro passassem a ser acessíveis para o grande público, mas, no ano de início da Primeira Guerra Mundial, transformou sua fábrica de vidro em território de produção de material médico para hospitais e farmácias.
Do fim do conflito até 1945, ano de sua morte, René Lalique investiu em modelos exclusivos de vidro, desenvolvidos em uma fábrica construída em Wingen-sur-Moder. Lá, foram patenteados diversos processos para a fabricação de vidro, como o satinado Lalique ou o vidro opalescente. Presente também na arquitetura, foi pioneiro na escultura de vidro para obras monumentais, como as portas do Hotel Alberto I, em Paris, ou as fontes dos Campos Elíseos, além de marcar presença também na construção de trens, navios, igrejas e residências.
Veja, logo abaixo, alguns dos trabalhos de Lalique.

Embalagem produzida por Lalique (www.prweb.com)
Embalagem produzida por Lalique (www.prweb.com)
Libélula de vidro produzido pelo francês, exposta em museu de Portugal (commons.wikimedia.org)
Libélula de vidro produzido pelo francês, exposta em museu de Portugal (commons.wikimedia.org)
Fontes:
Wikipedia
Saber Design

O Furacão Andrew foi uma das maiores catástrofes naturais a atingir o território norte-americano, deixando um rastro de devastação entre 16 e 26 de agosto de 1992. Mas Daniel Arsham, escultor e cenógrafo, encontrou nas ruínas a grande inspiração para suas obras.
A série Three Dimensions (Três Dimensões, em português), é um dos principais trabalhos de Arsham, e foi pensada – e viabilizada – quando o furacão encheu sua residência de cacos de vidro. Com a matéria-prima tão próxima, o escultor passou a desenvolver diversos homens de vidro, com formas reais e aspectos reflexivos ou apreensivos, em peças completamente transparentes.
Logo abaixo, você confere alguns dos trabalhos do escultor – e basta clicar aqui para conhecer mais sobre Arsham.

Obra da série Three Dimensions (www.danielarsham.com)
Obra da série Three Dimensions (www.danielarsham.com)
Obra da série Three Dimensions (www.danielarsham.com)
Obra da série Three Dimensions (www.danielarsham.com)
Obra da série Three Dimensions (www.danielarsham.com)
Obra da série Three Dimensions (www.danielarsham.com)
Fontes:
http://br.noticias.yahoo.com/blogs/para-curtir/cacos-vidro-viram-obras-arte-191309944.html
http://www.danielarsham.com/index.php
http://pt.wikipedia.org/wiki/Furac%C3%A3o_Andrew

Nascido em 1921 na República Checa, Stanislav Libensky era pintor até encontrar a escultora Jaroslava Brychtová, também checa, nascida em 1924. Os dois se casaram em 1963 e passaram a construir, juntos, uma das maiores influências na história da arte em vidro – mesmo com o mínimo acesso à informação e à criação artística do resto propiciado pela União Soviética na Guerra Fria.
Formas, cores, amplitude e profundidade foram alguns dos conceitos trabalhados nas obras do casal, que, desde o casamento, produziam em conjunto: Libensky era o responsável por desenhar o que Brychtová deveria esculpir.
Além de produzir maravilhosas peças, o casal checo também difundiu o uso do vidro como material para a criação artística, o que contribui ainda mais para a influência exercida por suas obras.

Arte do casal checo, explorando cores e formas (collections.vam.ac.uk)
Arte do casal checo, explorando cores e formas (collections.vam.ac.uk)
Fontes:
http://www.zupi.com.br/esculturas-de-vidro-stanislav-libensky-jaroslava-brchtova/
http://www.abividro.org.br/noticias/esculturas-de-vidro-de-libensky-e-brychtova
http://www.libensky.net/

Mario Ceroli é um artista italiano nascido na década de 30, criado em escolas de arte em meio à efervescência cultural dos anos 60 e do surgimento da pop art. Especializado em desenho e em escultura, Mario Ceroli produziu trabalhos de bastante impacto, mas sua criação mais impressionante foi realizada em vidro.
Maestrale é uma onda feita com pequenos pedaços de vidro verde. Mesmo estática, a escultura transmite a imensidão e a força das águas do mar, dando à obra um ar completamente atemporal, assim como La Vague, feita em madeira. A escultura tem cerca de 5 metros e meio de comprimento, com mais de 1 metro e meio de altura e foi criada em 1992.

Maestrale, a obra-prima em vidro de Mario Ceroli (www.marioceroli.it)
Maestrale, a obra-prima em vidro de Mario Ceroli (www.marioceroli.it)
Fontes:
http://it.wikipedia.org/wiki/Mario_Ceroli (em italiano)
http://blog.estudiodurer.com.br/?p=1518
http://beautifuldecay.com/2013/04/25/mario-cerolis-massive-wave-sculptures-made-out-of-wood-and-glass/ (em inglês)
http://palavrascomsal.blogspot.com.br/2013/03/maestrale-la-vague.html

Dale Chihuly é um artista natural da cidade de Tacoma, localizada no estado norte-americano de Washington. Pela aplicação de cores e luzes à escultura em vidro, o artesão revolucionou o Studio Glass, que, como já falamos aqui, foi o movimento artístico iniciado nos Estados Unidos nos anos 60.
Sabendo da importância italiana para a escultura, Chihuly foi o primeiro artista norte-americano a optar por estudar a composição da arte em vidro diretamente em sua origem, indo até a ilha de Murano para complementar sua formação e também para a descoberta das técnicas singulares de artesanato que são tradição no local. O resultado disso é que Dale Chihuly é um pouquíssimos artistas norte-americanos ainda vivos a já ter exibido suas obras no Museu do Louvre, em Paris.
Chandeliers, uma série de candelabros esculpidos em vidro, é uma das principais obras do artista, com o principal item da coleção tendo levado 18 meses para ser concluído. O teto do cassino Bellagio, em Las Vegas, cenário da série de filmes iniciada por Onze Homens e um Segredo, também é de sua autoria.

Uma das obras da série Chandeliers (www.plumdeluxe.com)
Uma das obras da série Chandeliers (www.plumdeluxe.com)
Para homenagear o seu grande expoente artístico, Tacoma inaugurou o International Glass Museum, criado com o objetivo de abrigar exposições o ano inteiro e manter viva essa maravilhosa forma de arte. Nos dois links abaixo, você confere, em inglês, um especial realizado sobre a vida e a obra do artista.
'Fiori di como', adorno do teto do Bellagio, em Las Vegas (govegas.about.com)
‘Fiori di como’, adorno do teto do Bellagio, em Las Vegas (govegas.about.com)
– Dale Chihuly, GlassMaster – Pt. 1
– Dale Chihuly, GlassMaster – Pt. 2

Em 1962, Harvey Littleton, professor de artes plásticas, ministrou um seminário no Toledo Museum of Art, localizado em Ohio, nos Estados Unidos, e, utilizando o vidro para construções artísticas, ampliou o horizonte de aplicações do material, antes restrito a funcionalidades e demandas industriais.
Dessa renovação artística surgiu um movimento denominado Studio Glass, que desencadeou uma genial produção de peças artesanais em vidro soprado e fundido com cores e formas únicas.
O 50º aniversário do surgimento do Studio Glass, celebrado em 2012, foi marcado pela construção de um forno de vidro semelhante ao utilizado por Harvey Littleton em 1962 no Toledo Museum of Art Workshop, construído no Glass Pavilion, espaço que abriga o acervo de arte em vidro do museu.
A exposição Color Ignited Glass 1962-2012 também fez parte das comemorações do cinquentenário, apresentando trabalhos do próprio Littleton e de grandes expoentes do movimento, como Dale Chihuly, que você conhecerá melhor no site da Anavidro em breve. Nas imagens abaixo, apresentaremos algumas das obras do artista pioneiro do Studio Glass, Harvey Littleton.

Peça de Harvey Littleton exposta no Corning Museum Of Glass (www.prweb.com)
Peça de Harvey Littleton exposta no Corning Museum Of Glass (www.prweb.com)
Peça apresentada na Color Ignited Glass 1962-2012 (washingtonglass.blogspot.com)
Peça apresentada na Color Ignited Glass 1962-2012 (washingtonglass.blogspot.com)
Fontes:
http://contempglass.org/2012-celebration (em inglês)
http://www.toledomuseum.org/glass-pavilion/glass-at-tma/studio-glass-movement/ (em inglês)
http://noticias.vidrado.com/destaque/home-fim/os-50-anos-do-movimento-studio-glass/

Localizado a cerca de 1 km de Veneza, o pequeno arquipélago de Murano é composto por sete ilhas, sendo duas delas artesanais, Sacca Serenella e Sacca San Mattia. Lá, por meio de uma técnica artístico-artesanal, são produzidos alguns dos objetos de vidro mais famosos do mundo, reconhecidos em todo o planeta por sua beleza e qualidade.
O trabalho dos artesãos de Murano resulta em materiais de brilho intenso, leves, característicos por sua intensa mistura de cores, formas e texturas. Os procedimentos artesanais são imitados em todo o mundo, com réplicas e imitações de qualquer objeto decorativo já feito nas ilhas sendo produzido em larga escala.

Escultura de Murano encontrada nas ruas de Veneza (www.ratestogo.com)
Escultura de Murano encontrada nas ruas de Veneza (www.ratestogo.com)
A arte de Murano tem início no contato italiano com os negociantes vindos do Oriente, mas a herança deixada nas ilhas foi aprimorada de maneira única. Durante a Idade Média, os artesãos nunca deixavam as ilhas, confinados, tanto para guardar o segredo da produção das belas peças de vidro de Murano quanto para livrar Veneza do risco dos incêndios que poderiam ser provocados pelos fornos.
A areia disponível para a produção de matéria-prima também é um privilégio – por ser uma região de águas calmas, a areia sofre menos atrito, facilitando o manuseio do material pelos artesãos. E um dos segredos do vidro de Murano era a adição de soda cáustica após o derretimento da areia, que deixava o vidro mais claro, leve e fácil de manusear, podendo ser moldado com formas diferentes.
O costume de transmitir a arte de geração para geração dura até hoje entre as famílias artesãs de Murano. Para celebrar as criações e a tradição do local na produção de vidros, além de homenagear a importância da região, foi criado o Museu Vetrario, que reúne as obras feitas com vidros de rajadas douradas (aventurine), multicoloridos (millefiori), leitosos (lattimo) e avermelhados (corneliano), entre outros.
Artesão em processo de pré-produção (www.vittabella.com)
Artesão em processo de pré-produção (www.vittabella.com)
TOPO